AcessibilidadeAcessibilidadeInternacional

Cultura

Carlos Eduardo Zinani

Carlos Eduardo Zinani (violino/viola) - iniciou seus estudos de violino em Caxias do Sul com o prof. Ion Bressan no Instituto Johann Sebastian Bach, em 1985. Em 1986, passou a ter aulas com a professora Gabriela Coletti. Posteriormente, ingressou na Escola de Música da OSCA (Orquestra Sinfônica de Caxias do Sul), na qual foi aluno do professor Jorge Inda. Durante os anos de 1994 e 1995, frequentou o Curso de Extensão em Instrumento da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob a orientação do professor Fredi Gerling.  Foi membro integrante da orquestra de Câmara da Sociedade de Cultura Musical de Caxias do Sul (março de 1990 a dezembro de 2000) e da Orquestra do Instituto de Artes da UFRGS (1994-1995).

Frequentou o festival de música de inverno de Vale Vêneto, promovido pela Universidade Federal de Santa Maria nos anos de 1992 e 1993.  Teve oportunidades de aperfeiçoamento com os profs. Marck Cedel (EUA), Rudolf Haken (EUA), Marcelo Jafé (SP), Paulo Bosisio (RJ), Alexandre Razera (PR) e Julia Bullard (EUA). Em 2017 participou, em duas ocasiões, como músico convidado da Orquestra de Câmara da UNISC e, no mesmo ano, da Orquestra Sinfônica de Gramado durante as comemorações do 32º Natal Luz.

 Participou como músico convidado da Orquestra Sinfônica da UNISINOS (2005) e da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro (2013 e 2014).

Foi integrante do Quarteto de Cordas da Orquestra da UCS (2008 – 2012) atuando como violista e arranjador. Participou das três edições do Festival de Música de Câmara de Caxias do Sul (2008, 2009 e 2010), promovido pela UCS. Em 2012, estreou o Quarteto de Cordas nº1 e, em 2014, a Suíte para dois Violinos, ambas obras de sua autoria. Atualmente, é integrante da Orquestra de Câmara da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), atuando como violinista, da Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e da Orquestra Sinfônica de Gramado atuando como violista. Participa também de vários trabalhos com o Quarteto de Cordas e o grupo de Música de Câmara da Orquestra da UCS.

Em 2016, realizou diversos concertos com o Grupo de Câmara da Orquestra sinfônica da UCS e o violonista Lucio Yanel no projeto Aquarela del Sur e, em 2017, na Fiesta Internacional del Chamamé na cidade de Corrientes, Argentina. É, também, professor de violino e viola do projeto Mais Música, desenvolvido em parceria com a faculdade IDEAU. Atua também no projeto Música Clássica nas Escolas, apoiado pelo FINANCIARTE de Caxias do Sul com o pianista Luciano Cesa, além de participar de vários trabalhos envolvendo apresentações e, também, gravações. 



 

Célio Elgert

Célio Elgert, reside em Venâncio Aires, iniciou seus estudos de violino no ensino médio no Instituto de Educação Ivoti. Graduou-se em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com ênfase em Regência Coral, onde também cursou aulas de violino com a Profa. Hella Frank.

Participou de vários festivais de música, destacando-se: XXII Festival Internacional de Inverno da Universidade de Santa Maria, II Festival Vulcan de São Paulo, III Festival de Música de Santa Catarina, Oficina de Música de Verão de Curitiba. Dentre seus professores, destacam-se: Alberto Jaffé, Emmerson de Biaggi, Jorge Rizzi.

Recentemente participou do curso de viola da Escola de Música da Unisc, sob orientação da Profa. Estela Kohlrausch. Participou de várias orquestras, dentre elas: Orquestra de Câmara de Ivoti, Camerata de Montenegro, Orquestra de Cordas de Caxias do Sul e Orquestra Jovem Unisc. Atualmente, é violista da Orquestra de Câmara da Unisc, professor de violino da Escola de Música da Unisc e mantêm a Escola de Música Tio Célio, em Venâncio Aires.

 

Giovane André Radtke

Giovane André Radtke, natural de Rio Pardinho, 9º Distrito do município de Santa Cruz do Sul-RS. Sua experiência musical com o instrumento se deu há aproximadamente três anos, onde por meio de um convite de uma violista, atual colega de naipe. Aceitou o desafio, ingressando na antiga Orquestra Jovem da Unisc como violista. A adaptação ao instrumento, seguida pelo repertório, foi gradativa, uma vez que possuía apenas um histórico musical diferente com outro instrumento da mesma família da viola: o violino.

O jovem violista continuou se dedicando ao grupo, aperfeiçoando e incorporando a técnica musical com o passar do tempo. Além da orquestra, dedicou-se a outras atividades musicais, como canto coral, grupo de canto, monitor da oficina de música em escolas públicas e demais atividades de caráter musical. Atualmente, integra a Orquestra de Câmara da Unisc, como violista. Giovane acredita que a experiência é única e fundamental para o seu aprimoramento enquanto violista e como ser humano.

MENU PRINCIPAL